Escritório de advocacia é alvo da Operação Têmis em Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

Advogados são presos na Operação Têmis suspeitos de fraudes judiciais de R$ 100 milhões

Polícia Civil diz que advogados ingressavam com ações em nome de falsos correntistas, exigindo expurgos inflacionários do ‘Plano Verão’. Dois são considerados foragidos e 20 de busca foram cumpridos em Ribeirão Preto (SP).

RIBEIRÃO PRETO – Cinco pessoas foram presas na quinta-feira (11) durante a Operação Têmis, que investiga advogados de Ribeirão Preto (SP) suspeitos de fraudes judiciais. A Polícia Civil estima que o golpe tenha causado prejuízo de R$ 100 milhões a instituições bancárias.

Ao todo, sete mandados de prisão preventiva e 20 de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça. A operação foi realizada pela Delegacia Seccional de Ribeirão, em conjunto com o Ministério Público e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Foram presos:

  • Renato Rosin Vidal, advogado do escritório “Lodoli, Caropreso, Bazo & Vidal Sociedade”
  • Klaus Philipp Lodoli, advogado do escritório “Lodoli, Caropreso, Bazo & Vidal Sociedade”
  • Ângelo Luiz Feijó Bazo, advogado do escritório “Lodoli, Caropreso, Bazo & Vidal Sociedade”
  • Ramzy Khuri da Silveira, proprietário da associação “Pode Mais, Limpe Seu Nome”
  • Luiz Felipe Naves Lima, funcionário da associação “Eu vou trabalhar”

Os suspeitos foram encaminhados ao Centro de Detenção Provisória. Dois mandados de prisão não foram cumpridos. São considerados foragidos:

  • Gustavo Caropreso Soares de Oliveira, advogado do escritório “Lodoli, Caropreso, Bazo & Vidal Sociedade”
  • Ruy Rodrigues Neto, proprietário da associação “Eu vou Trabalhar”.

Em nota, a Polícia Civil informou que, após um ano de investigações, identificou uma organização criminosa – composta por advogados – que praticava fraudes processuais, exigindo na Justiça supostas diferenças de expurgos inflacionários decorrentes dos planos Collor, Verão e Bresser.

Os beneficiários seriam correntistas do extinto banco Nossa Caixa, incorporado pelo Banco do Brasil. Entretanto, a investigação identificou que os autores dos processos – todos estão sob sigilo de Justiça – têm nomes comuns, inclusive homônimos.

“Verificou-se que os supostos autores das ações possuem nomes comuns, com diversos homônimos, não guardando vínculo pessoal ou profissional com o domicílio das contas, ou as comarcas onde foram distribuídas as ações e, na verdade, apurou-se que não eram os verdadeiros correntistas”, diz o comunicado.

A Frente Brasileira pelos Poupadores (Febrapo) comunicou que um recente acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), mediado pela Advocacia Geral da União, contempla os poupadores dos planos que entraram com ações judiciais nos prazos e que não é mais possível ingressar com novas ações. “Toda oferta de serviço para ingressar com novas ações é fraudulenta”, alerta.

O esquema

Segundo o Ministério Público, os suspeitos conseguiam ilegalmente o cadastro de clientes de bancos e entravam com ações judiciais sem que as pessoas soubessem que os nomes delas eram usados. A suspeita de que funcionários das instituições financeiras estejam envolvidos na fraude não está descartada.

Com a relação de correntistas em mãos, assim como os números das contas bancárias e os respectivos valores depositados na década de 1990, os investigados saíam à procura de homônimos residentes em Ribeirão e região para usá-los nas fraudes.

As vítimas assinavam procurações em meio a outros documentos, sem nenhum conhecimento. Inadimplente, a maioria dessas pessoas era abordada pelos advogados ou por intermediários deles, com a promessa de conseguirem quitar as dívidas.

O MP informou que os suspeitos também usavam uma associação para atrair inadimplementes, prometendo “limpar os nomes sujos”. A empresa, localizada na Avenida Costábile Romano, ficava a 150 metros de dois escritórios de advocacia que também são alvos da Operação Têmis.

Investigação

Ainda de acordo com a polícia, o caso passou a ser investigado após a identificação de inúmeras ações judiciais cíveis para cumprimento de sentença em diversas comarcas paulistas, sempre com o mesmo teor: pagamento de diferenças de expurgos inflacionários do “Plano Verão”.

“Com isso, a fraude processual baseada em quebra de sigilo bancário e subsequente captação de clientela induziu a erro o poder judiciário e poderia ocasionar um prejuízo estimado aos bancos em torno de cem milhões de reais”, diz a nota.

A operação foi batizada de Têmis, divindade grega que representa a Justiça e é representada com uma balança equilibrada na mão esquerda e uma espada, na direita. Além disso, Têmis carrega as tábuas da lei e tem os olhos vendados, o que significa que é imparcial.

G1

Comments are closed.

error: Solicite a matéria por email!